terça-feira, 5 de julho de 2011

Opinião #37: "Shiver" (Livro)

- SHIVER -

Capa:
Autora:
Maggie Stiefvater

Informação:
Edição/reimpressão - 2009
Páginas - 392
Editor - Scholastic
ISBN - 9781407115009
Idioma - Inglês

Sinopse:
the cold.
Grace has spent years watching the wolves in the woods behind her house. One yellow-eyed wolf—her wolf—watches back. He feels deeply familiar to her, but she doesn't know why.
the heat.
Sam has lived two lives. As a wolf, he keeps the silent company of the girl he loves. And then, for a short time each year, he is human, never daring to talk to Grace...until now.
the shiver.
For Grace and Sam, love has always been kept at a distance. But once it's spoken, it cannot be denied. Sam must fight to stay human—and Grace must fight to keep him—even if it means taking on the scars of the past, the fragility of the present, and the impossibility of the future.


(sinopse em português aqui)

[COMPRE ESTE LIVRO NA WOOK]

-----

Opinião:

Já aqui tinha dito numa das minhas opiniões que adoro quando sou surpreendida por um livro que me apresenta uma premissa que não está inteiramente explícita na sinopse, e este foi um desses casos. Já tinha lido muito boas críticas a este livro, mas estava de certo modo de pé atrás pois estava com receio que fosse apenas mais um a aproveitar a onda dos vampiros e lobisomens que o Twilight começou. Mas estava enganada!

Grace foi atacada em criança pela matilha de lobos que vive na floresta ao lado de sua casa. Podia ter sido morta, mas um dos lobos mostrou compaixão pouco característica no mundo animal, e salvou-a. Desde aí, Grace vive obcecada durante anos com esses lobos, principalmente com o que a salvou, de olhos amarelos (e sim, de início estava sempre a lembrar-me dos vampiros "vegetarianos" por causa da cor dos olhos, mas depressa me esqueci da comparação). Mas os lobos apenas surgem durante o Inverno, deixando Grace a contar os dias até aos primeiros sinais de neve durante todo o Verão.

O primeiro aspecto que me agradou neste livro foi a escrita da autora. Estava à espera de uma escrita muito mais dirigida a um público mais jovem, muito simples e pouco trabalhada, mas surpreendeu-me, com uma prosa bastante fluída, ritmada, trabalhada (sem se tornar complicada) e, sem encontrar outra palavra para a descrever, "bonita". Como este livro, infelizmente, tive de o ler só no pouco tempo que andava de transportes, dava por mim super frustrada por não poder ler quase tudo de uma vez. Se não tivesse sido este o caso, penso mesmo que o teria lido no máximo em dois dias, de tanto que fiquei presa à história. E mesmo assim não é um livro com uma story line muito aprofundada, é claramente uma introdução à relação de Grace e Sam, o que ainda valoriza mais o facto de me ter conseguido prender de tal maneira.

Em segundo lugar, outro pormenor que já por aqui referi várias vezes que é decisivo para a minha boa opinião sobre um livro: a originalidade. Adorei a mitologia dos lobisomens criada pela autora, pois nunca tinha lido algo parecido.

Nesta série, a mudança dos lobisomens não é influenciada pela mudança das fases da lua como popularmente se diz, ou então feita de livre vontade (os chamados shapeshifters), mas sim de acordo com a temperatura. Os lobisomens encontram-se na sua fase de lobos durante o tempo frio, apenas voltando a ser humanos durante a Primavera/Verão. Mas, com o passar dos anos, cada vez mais tarde conseguem voltar a ser humanos (apenas no pico do Verão ou com muito altas temperaturas), até que chegam a um ponto em que passam o resto das suas vidas "presos" na forma de lobos. E são simplesmente lobos (nada de "monstros" enormes ou outras coisas do género), sendo que a única diferença é que os lobisomens mantêm na sua forma de lobos os seus olhos humanos.

Se não fosse esta "novidade" considerável, muito provavelmente o livro seria bastante aborrecido e "apenas mais um", mas dei por mim a querer saber mais e mais sobre os lobos, os seus costumes e a restante matilha. Mas embora tenha sido este o ponto que ajudou bastante a que gostasse do livro, o romance entre Grace e Sam também está muito bem escrito (embora pareça um pouco insta-romance, mesmo que de certa forma justificado), e a minha miúda interior ficou com vontade de ter um lobinho só para ela (pelo menos este não se apaixonou por uma recém-nascida...).

Recomendo a quem gosta deste género, não é uma leitura que exija muito mas vale bastante a pena! (e peço desculpa pela opinião mal desenvolvida, mas foi o que consegui arranjar depois de vários dias de trabalho sem poder pensar muito no que escrever).

1 comentário:

  1. A minha opinião sobre o livro é relativamente parecida, mas só a tenho no goodreads.
    Foi algo semelhante: estava à espera que fosse uma porcaria que se aproveitara da onda Twilight e até acabou por ser agradável ^^

    ResponderEliminar