domingo, 17 de julho de 2011

Opinião #38: "A Senhora da Magia" (Livro)

- A SENHORA DA MAGIA -

Capa:
Autora:
Marion Zimmer Bradley

Informação:
Edição/reimpressão - 1987
Páginas - 316
Editor - Difel
ISBN - 9722900781
Idioma - Português

Sinopse:
Num universo paralelo à Grã-Bretanha celta, a enigmática ilha de Avalon é a guardiã dos grandes mistérios eternos e sagrados. E os que estão destinados a viver nos dois mundos são, passo a passo, confrontados com as antigas tradições ligadas à Natureza, e às suas forças obscuras, e à nova fé cristã que procura espalhar-se no território.

No centro de A Senhora da Magia, primeiro dos quatro volumes desta saga, está Morgaine, a meia-irmã de Arthur, que se encontra num processo de iniciação para se tornar Grã-Sacerdotisa de Avalon. O seu grande objectivo é afastar a Bretanha da nova religião que encara a mulher como portadora do pecado original, ao mesmo tempo que desenvolve todos os esforços para colocar o seu meio-irmão no poder, como símbolo e líder da Bretanha unificada, sob a égide de Avalon e da Espada Mágica, Excalibur.

Num ambiente verdadeiramente mágico de paganismo, cristianismo, rituais mágicos e visões, sensualidade e realidade, A Senhora da Magia introduz-nos no mundo lendário do Rei Arthur, dos Cavaleiros da Távola Redonda e das Cruzadas. É o olhar feminino sobre o tempo da busca da paz e da unificação da Bretanha: cheio de inesperadas cintilações e magias, repleto de penumbras, brumas e rituais femininos. Uma perspectiva alucinante e vertiginosa de uma época onde tudo era possível através dos poderes das mulheres.

[COMPRE ESTE LIVRO NA WOOK]

-----

Opinião:

Esta sinopse (retirada do site da wook) é bastante explicativa, por isso vou abster-me de tentar apresentar a história de melhor maneira, e apenas falar da minha experiência de leitura.

Depois de anos (literalmente) a tentar ser convencida pela Lóide a começar a ler os livros da Marion Zimmer Bradley, finalmente cedi e aproveitei uma óptima oportunidade em termos de preço para comprar o primeiro volume das Brumas de Avalon (com as capas antigas da Difel, pois não gosto das mais recentes, embora estas edições sejam mais difíceis de encontrar).

Entretanto, o livro ficou uns meses na estante. É verdade que qualquer livro que eu compre passa no mínimo uns dois ou três meses até que eu finalmente o leia (a não ser que seja algum que eu não consiga mesmo resistir a passar à frente), devido à quantidade que tenho em lista de espera, mas este ia adiando por uma razão. Tinha receio de que, depois de tanto tempo a ouvir maravilhas sobre os livros, eu acabasse por não gostar e ter um belo momento constrangedor a tentar explicar o porquê a alguém que muito basicamente venera a senhora (sim, Lóide, ainda estou a falar de ti!).

Mas, felizmente, esse momento nunca chegou, porque adorei!

Não me chamem feminista, mas adoro ler todo o tipo de livros que falem sobre sociedades onde o poder reside nas mulheres. Foi uma das razões porque adorei a Trilogia do Elfo Negro, por exemplo, e também me fez gostar bastante deste livro, embora essa vertente não esteja tão presente como na Trilogia. Gostei especialmente do confronto religioso que se cria entre o paganismo seguido pelas sacerdotisas de Avalon e o cristianismo com os seus padres. É curioso como a crença mais antiga admite a convivência com outras (afirmando que todos acreditam no mesmo Deus), mas a que se instala mais recentemente recusa-se terminantemente a fazer o mesmo, e afirma-se como crença soberana. Parece-vos familiar?

Gostei do facto de a história ser contada do ponto de vista de Morgaine, e de começar muitos anos antes de os eventos principais sequer ocorrerem, mas mesmo assim não se tornar maçador. Muitas vezes há autores que "atiram" as suas histórias logo para acção, pois não têm capacidade de manter um leitor atento em momentos menos densos de enredo. Mas, neste caso, dei por mim bastante curiosa em saber mais sobre as origens de Morgaine e da sua família, e de como a história iria evoluir para ela se tornar meia-irmã de Arthur.

Já há muitos anos que tinha curiosidade em aprender mais sobre esta época e a lenda do Rei Arthur, e vejo que comecei pelo sítio certo. Nota-se à distância o nível extenso de pesquisa que a autora fez antes de escrever estes livros (e, se não se notasse, há toda uma nota de autor em que ela fala extensivamente sobre isso), e para alguém que, como eu, não era a pessoa mais conhecedora desta época, foi uma agradável surpresa aprender certos aspectos destas lendas sobre os quais até agora não fazia ideia.

Costumo sempre falar sobre o tipo de escrita dos autores que leio, principalmente numa primeira experiência, mas neste caso não sei mesmo como a descrever, para além de dizer que ela faz parecer verdadeira uma história de ficção. Para quem já a conhece, basta dizer: É Marion Zimmer Bradley! Para quem não a conhece, também basta apenas um: Leiam, não se vão arrepender!

Já tenho o segundo volume desta série, e estou bastante curiosa em começar a lê-lo. Foi uma boa aposta, e recomendo bastante esta série a quem, muito basicamente, gosta de um bom livro. Não deixem que a minha opinião confusa vos demova de o ler (já que ultimamente não sou capaz de pôr as minhas ideias em ordem naquilo que escrevo), porque o livro é mil vezes melhor do que aquilo que eu o fiz parecer!

2 comentários:

  1. Morgaine é uma das melhores personagens jamais criadas! E o 1º livro das Brumas é o meu preferido, porque, para além de ter aquele prólogo maravilhoso, é aquele em que acontecem menos desgraças. XD A sério, a partir daqui e principalmente nos 2 últimos são só acontecimentos desastrosos.

    ResponderEliminar
  2. Se este livro tem pouca desgraça, imagino mesmo os outros! lool

    Espero conseguir encontrar os dois que me faltam nestas edições, que adoro mesmo as capas antigas. E se for ao preço que comprei estes, ainda melhor! :P

    ResponderEliminar