quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Opinião #57: "Marley & Eu" (Livro)

- MARLEY & EU -

Capa:
Autor:
John Grogan

Informação:
Edição/reimpressão - 2006
Páginas - 360
Editor - Casa das Letras
ISBN - 9789724616681
Colecção - Memórias
Idioma - Português

Sinopse:
A história enternecedora e inesquecível de uma família e do seu cão malcomportado que ensina o que realmente importa na vida.
Chamavam-se John e Jenny, eram jovens, apaixonados e estavam a começar a sua vida juntos, sem grandes preocupações, até ao momento em que levaram para casa Marley, "um bola de pêlo amarelo em forma de cachorro", que, rapidamente, se transformou num labrador enorme e encorpado de 43 quilos. Era um cão como não havia outro nas redondezas: arrombava portas, esgadanhava paredes, babava-se todo por cima das visitas, roubava roupa interior feminina e abocanhava tudo a que pudesse deitar o dente. De nada lhe valeram os tranquilizantes receitados pelo veterinário, nem, tão pouco, a "escola de boas maneiras", de onde, aliás, foi expulso.
Só que Marley tinha um coração puro e a sua lealdade era incondicional. Partilhou a alegria da primeira gravidez do casal e o seu desgosto com a morte prematura do feto, esteve sempre presente no nascimento dos bebés ou quando os gritos de uma vítima de esfaqueamento ecoaram pela noite dentro. Conseguiu ainda a "proeza" de encerrar uma praia pública e arranjou um papel numa longa-metragem, através do qual se fartou de "conquistar" corações humanos.
A família Grogan aprendeu, na prática, que o amor se manifesta de muitas maneiras... e feitios.

[COMPRE ESTE LIVRO NA WOOK]

---

Opinião:

Quem me conhece sabe que eu sou uma completa dog person. Há quem fique completamente enternecido quando vê bebés: eu fico dez vezes pior quando vejo um cachorro. Tenho até a "fama" de ser um pouco insensível a cenas tristes de livros/filmes/etc (dado que me rio em muitas cenas em que era suposto chorar), mas basta acontecer alguma coisa de mal a um cão que me vêm logo as lágrimas aos olhos.

Portanto não foi surpresa nenhuma quando adorei a adaptação desta história a filme, e fiquei a partir daí com imensa curiosidade de ler o livro, que não ficou muito longe das minhas expectativas. Adorei!

Marley é, muito resumidamente, tudo aquilo que um dono não quer que o seu cão seja: desobediente, arruaceiro, destrutivo, enfim, um furacão de quatro patas. Mas acaba por se mostrar um daqueles casos em que todos os seus defeitos são uma ninharia, comparados com as suas imensas qualidades. Estas apenas são mais difíceis de ver (e mais fáceis de limpar!).

Sendo o autor um jornalista, gostei bastante da forma como o livro foi escrito, pois evitou certos aspectos que noutro tipo de livros por vezes me fazem confusão (dado à minha também formação em jornalismo). A história é contada quase como se fosse um conjunto de crónicas (aspecto que foi bastante bem aproveitado no filme), e a forma como ele aborda os episódios que envolvem Marley é hilariante. Mas as cenas mais sérias e dramáticas também estão muito bem escritas (envolventes, mas sem no entanto serem muito pesadas), o que acabou por comprovar que ele conseguia mudar de registo, e não ser apenas bom a escrever cenas de "comédia".

Recomendo este livro a qualquer amante de cães, quer os tenham quer não. Quem tem cães vai com certeza rever-se em alguns dos episódios mais traquinas de Marley, e quem não os tem vai ficar com imensa vontade de arranjar um (ou então assustar-se de tal maneira que vai fugir a sete pés de labradores!). Mas, principalmente, recomendava esta leitura a um certo grupo de "donos" de cães que se desfazem dos seus animais de estimação como se se tratassem de uma peça de roupa velha ou de um brinquedo que passou de moda: é uma história que comprova que até o mais tresloucado dos animais faz tudo pelos seus donos, e não merece ser abandonado.

1 comentário:

  1. Estou na metade do livro pela segunda vez e, bom, até agora estou gostando muito. Já vi o filme várias vezes e sempre choro no final. Falando tecnicamente, acho que o livro é bem escrito e serve para quase todas as idades. A história é envolvente e fica num vai e volta da vida geral de John e de Marley, além de Jenny, que esteve presente durante todo o livro, dando um toque feminino a história. Apesar de não ser fictícia, a história é muito boa e não me canso de dizer: "Estou lendo e já assisti Marley & Eu".

    ResponderEliminar